segunda-feira, 27 de junho de 2011

O valor de todo o conhecimento

"O valor de todo o conhecimento está no seu vínculo com as nossas necessidades, aspirações e ações; de outra forma, o conhecimento torna-se um simples lastro de memória, capaz apenas - como um navio que navega com demasiado peso - de diminuir a oscilação da vida quotidiana." (V. O. Kliutchevski)
O conhecimento deve ser para vida como o alimento o é para o corpo. Dar a força e o vigor, necessário para o sucesso esperado. Nunca ter o conhecimento só para o saber o saber deve ter o motivo da mudança a mudança deve nutrir no imaginário uma sede de estratificação de escalada na pirâmide social e Cultural. O conhecimento liberta e dá o suporte para as mudanças.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

INTELIGENCIA EMOCIONAL

Aristóteles, filósofo grego, já dizia que "felicidade não é ser feliz, mas o processo da busca da felicidade". O mais importante na vida é o processo que leva ao resultado, não o resultado em si. Este princípio aplicado à mudança nos diz que a nossa preocupação não deve ser a mudança em si, mas sair da rotina e "saborear" cada passo do processo da mudança. Como diz Fred Kofman especialista em mudança: " É preciso parar de se colocar como vítima das circunstâncias, do ambiente externo, de algo de fora de seu controle. É preciso reagir, tornar-se protagonista." Ou seja, chega de ficar nas cadeiras da platéia criticando ou aplaudindo! É hora de subir no palco e ser artista do espetáculo.

Aqui vão algumas características imprescindíveis a quem quiser ser um profissional de sucesso no mundo que se desenha pela frente:
1ª) A capacidade de pensar grande 2ª) A capacidade de trabalhar com inteligência 3ª) Investir em autoconhecimento, para preservar a qualidade de vida 4ª) A criatividade para criar o futuro. 5ª) Capacidade de interagir com outras pessoas
É preciso ter uma visão de mundo bastante ampla, o mundo hoje é globalizado, portanto minha mente não pode ser restrita. Para aqueles que ainda não conhecem seria bom ler "Quem mexeu no meu queijo?" um excelente livro, do M.D. Spencer Johnson, com prefácio de Kenneth Blanchard, PHD, que são autores de outro fantástico livro: O gerente-minuto. No livro Quem mexeu no meu queijo?, há dicas fantásticas de como lidar com as mudanças em seu trabalho e em sua vida. É uma história divertida e esclarecedora sobre quatro personagens: dois ratos e dois humanos do mesmo tamanho dos ratos, que vivem em um labirinto em eterna procura por queijo, que os alimenta e os faz feliz. O livro ensina a lidar com a mudança e viver com menos stress além de ajudar a alcançar mais sucesso no trabalho e na vida pessoal.


Luiz Antonio Silva, Coaching em Liderança

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Missionário Ronaldo Lidório

Queridos irmãos,
que o Senhor os supra, fortaleça e guie a cada dia (Isaías 58:11).
Gostaríamos de convidá-los a orar conosco por dois motivos.
1. Encontro Indígena - Alto Rio Negro.
Oremos pelo encontro indígena que ocorrerá no Alto Rio Negro no início de julho. Ele está sendo organizado pelo CONPLEI (Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas) e necessita de nossas orações. Os encontros indígenas tem sido uma grande bênção na expansão do Reino de Deus. Em 2008 mais de 1.200 indígenas se reuniram nas proximidades de Manaus. Ano passado cerca de 1.400 estiveram presentes em Santa Isabel do Rio Negro. Neste ano aguardam cerca de 1.500 indígenas no Alto Rio Negro. Oremos por segurança nas viagens e boa saúde para todos os participantes. Oremos também para que haja ricas oportunidades de relacionamento entre os indígenas e partilha do Evangelho. Coloquemos perante o Senhor o Henrique Terena, Paulo Nunes, Silvério Garrido e outros irmãos que estão a frente da organização do encontro. 
2. Treinamento missionário - Gâmbia.
Ronaldo deverá seguir nestes dias para a Gâmbia, oeste africano, para ministrar um treinamento missionário sobre plantio de igrejas. Neste encontro são aguardados missionários e também pastores africanos da Guiné Bissau, Gâmbia e Senegal. Oremos para que seja um momento bom e útil para todos, com mútuo encorajamento e boas estratégias do Alto para cada equipe missionária. Ao longo deste ano tivemos o privilégio de nos envolver com treinamento de missionários que atuam entre indígenas, africanos, sertanejos e também com o mundo árabe. Deus é bom. Pedimos que orem conosco para que aproveitemos estas boas oportunidades de colaborar com aqueles que estão onde Cristo ainda permanece desconhecido.
Em Cristo, Senhor nosso,
Rossana e Ronaldo 
WWW.APMT.ORG.BR                 WWW.AMEM.ORG.BR                 WWW.IINSTITUTO.ANTROPOS.COM.BR                   WWW.RONALDO.LIDORIO.COM.BR

sábado, 11 de junho de 2011

DIA DO PASTOR

Ser pastor é não medir esforços pela paz. É pacificar pais e filhos, maridos e esposas, sogros e genros, irmãos e irmãs.
Ser pastor é sofrer o dano, o dolo, a injustiça, confiando nAquele que é o galardoador dos que o buscam.
Ser pastor é dar a camisa quando lhe pedem a blusa, andar duas milhas quando o obrigam a uma, dar a outra face quando esbofeteado.
Ser pastor é estar pronto para a solidão. É manter-se no Santo dos Santos de joelhos prostrados, obtendo a solução para os problemas insolúveis.
Ser pastor é não fazer da esposa um saco de pancadas, onde descontar sua fragilidade e cansaço. Ser pastor é ser sacerdote, mantendo sigilo no coração, mantendo em segredo o que precisa continuar sendo segredo, e repartindo com as pessoas certas aquilo que é "repartível".
Ser pastor é muitas vezes não ser convidado para uma festa, não ser informado de uma notícia ou ser deixado de fora de um evento, e ainda assim manter a postura, a educação, o polimento e a compaixão.
Ser pastor é ser profeta, tornar o seu púlpito um "assim diz o Senhor", uma tocha flamejante, um facho de luz, uma espada de dois gumes, afiada e afogueada, proclamando aos quatro ventos a salvação e a santificação do povo de Deus.
Ser pastor é ser marido e ser pai. É fazer de seu ministério motivo de louvor dentro e fora de casa. É não causar à esposa a sensação de que a igreja é uma amante, uma concorrente, que lhe tira todo o tempo de vida conjugal.
Ser pastor é amar aos seus filhos da mesma forma que ensina aos pais cristãos amarem aos seus. É olhar para os olhos de seus filhos e ver o brilho de seus próprios olhos. É preocupar-se menos com o que os outros vão pensar e mais no que os filhos vão aprender, sentir e receber. É ver cada filho crescer, dando a cada um a atenção e o amor necessários. É orgulhar-se de ser pai, alegrar-se por ser esposo, servir de modelo para o povo. E, quando solteiro, tornar a sua castidade e dignidade modelo dos fiéis, enaltecendo ao Senhor, razão de sua vida.
Ser pastor é pedir perdão. Se os pastores fossem super-homens, Deus daria a tarefa pastoral aos anjos, mas preferiu fazer de pecadores convertidos os líderes de rebanho, pois, sendo humanos, poderiam mostrar aos demais que é possível ser uma bênção. Mas, quando pecarem, saberem pedir perdão. A humildade é uma chave que abre todas as portas, até as portas emperradas dos corações decepcionados. A humildade pode levar o pastor à exoneração, como prova de nobresa e integridade, como pode fazê-lo retomar seus trabalhos com maior pujança e vigor. Há pecados que põem fim a um ministério e ser pastor é saber quando o tempo acabou. Recomeçar é possível, mas nem sempre.
Ser pastor é saber discernir entre ficar ou sair, entre continuar pastor e recolher-se respeitosamente.
Ser pastor é crer quando todos descrêem. Saber esperar com confiança, saber transmitir otimismo e força de vontade. É fazer de seu púlpito um farol gigantesco, sob cuja luz o povo caminha sempre em frente, para cima e em direção a Deus. Ser pastor é ver o lado bom da questão, é vislumbrar uma saída quando todos imaginarem que é o fim do túnel. Ser pastor é contagiar, e não contaminar.
Ser pastor é inovar, é renovar, é oferecer-se como sacrifício em prol da vontade de Deus. Ser pastor é fazer o povo caminhar mais feliz, mais contente, é fazer a comunidade acreditar que o impossível é possível, é fazer o triste ser feliz, o cansado tornar-se revigorado, o desesperado ficar confiante e o perdido salvar-se. As guerras não são ganhas com armas, mas com palavras, e as do pastor são as palavras de Deus, portanto, invencíveis.
Ser pastor é saber envelhecer com dignidade, sem perder a jovialidade. É ser amigo dos jovens e companheiro dos adultos. Ser pastor é saber contar cada dia do ministério como uma pérola na coroa de sua história.
Ser pastor é ser companhia desejada, querida, esperada. É saber calar-se quando o silêncio for a frase mais contundente, e falar quando todos estiverem quietos.
Ser pastor é saber viver.
Ser pastor é saber morrer. E quando morrer, deixar em sua lápide dizeres indeléveis, que expressem na mente de suas ovelhas o que Paulo quis dizer, quando estava para partir: "combati o bom combate, terminei a carreira, guardei a fé". Ser pastor é falar mesmo depois de morto, como o justo Abel e o seu sangue, através de sua história, de seu exemplo, de seus escritos, de suas gravações.
Ser pastor é deixar uma picada na floresta, para que outros venham habitar nas planícies conquistadas para o Reino do Senhor. Ser pastor é fazer com que os filhos e os filhos dos filhos tenham um legado, talvez não de propriedades, dinheiro ou poder político, mas o legado do grande patriarca da família, daquele que viveu e ensinou o que é ser um pastor.
Eu sou pastor.
Obrigado, Senhor!
Autor: Pr. Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas de Osasco, SP
http://conselhodepastorescpb.ning.com/?xg_source=msg_mes_network

sexta-feira, 10 de junho de 2011

O Campanheirismo e a Decepção

O Campanheirismo e a Decepção só surpreende quem não conhece o ser humano. Quem o conhece sabe que tanto um quanto o outro imprevisivel. O companheirismo vem de quem não se espera e a decepção da mesma forma.