sábado, 22 de setembro de 2012

Agentes de nossa História


Uma história pode ser escrita de forma ativa ou passivamente. Quando somos agentes de nossa história podemos interferir em nosso destino de forma positiva. Quando deixamos a vida seguir seu curso, tipo, “deixa vida me levar, vida leva eu”, os rumos nem sempre serão agradáveis. Nesta reflexão tenho a pretensão de trazer a memória (até mesmo a minha), que devemos ser agentes de nossa própria vida, não deveria ser permitido deixar que outros decidam por nós, pois, empresários de carreiras ou agentes passam e a vida segue, meu conselho e que você seja seu próprio agente, seu próprio líder seu próprio promotor. Uma vida seguida nos moldes desenhados e criados por você mesmo terá um final mais, parecido com sua vontade.
Seja líder de si mesmo. Peça ajuda ao Senhor, Ele vai dar a você os conselhos que te farão mais feliz.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Ter a marca da promessa


A Marca da Promessa está no espírito Humano, um sentimento interior que vai além do entendimento racional, mas, é capaz de fazer a diferença nos momentos de crise. Eu tenho a marca da Promessa  e você também?Ter a marca da promessa significa ter a garantia da vitoria de Deus na vida. Está marca não esta exposta nem visível aos olhos humanos, mas, está na vida de todos aquelas que crêem que Jesus Cristo é seu Senhor e Salvador. Viver uma vida vitoriosa esta relacionado ao fato de quer cremos apesar das circunstancia que Deus é quem chama, capacita,  e orienta.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Para não dizer que não falei de flores

Pelos campos há fome, Em grandes plantações,Pelas ruas marchando
Indecisos cordões, Ainda fazem da flor, Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores, Vencendo o canhão... Vem, vamos embora
Que esperar não é saber. Quem sabe faz a hora não espera acontecer. 
Geraldo Vandré na canção “PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DAS FLORES”, fala com sentimento sobre fazer a hora. Isto pelo fato de viver um tempo com situações peculiares, que às vezes acontece na história de Algum País. O que aprendo com tal poesia (permitam-me referir a esta preciosidade como Poema). Somos convidados a fazer a hora, A fazer acontecer.
Um belo convite a deixar as armas bélicas e usar as ferramentas da razão, do amor, da mansidão. Longe de ser herege, ou, profano ao buscar em uma musica lições morais, ou discursivas como sermão religioso. Mas precisamos ouvir de nossos púlpitos, ou altares, palavras que pontue uma pauta positiva para nossa gente, nosso povo. Nas escolas, nas ruas, Campos, construções, Somos todos soldados, Armados ou não, Caminhando e cantando, E seguindo a canção, Somos todos iguais, Braços dados ou não. Meu Deus!!!!!!!!!!!!! Onde esta o amor? Onde esta o respeito? Onde esta a paz? E a solidariedade?
Quero encerrar este texto com as palavras de alguem que tinha experiencia suficiente para escrever: “Tenham cuidado para que ninguém retribua o mal com o mal, mas sejam sempre bondosos uns para com os outros e para com todos. Alegrem-se sempre. Orem continuamente. Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus. Não apaguem o Espírito. Não tratem com desprezo as profecias, mas ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom. Afastem-se de toda forma de mal.
Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, alma e corpo de vocês seja conservado irrepreensível na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Aquele que os chama é fiel, e fará isso. Irmãos, orem por nós. Saúdem todos os irmãos com beijo santo. Responsabilizo-os diante do . A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com vocês”, 1 Ts 5:15-28. Ei! Vem vamos...Quem Sabe faz a hora nunca espera acontecer...

Pr. Clodoaldo

Re

UM POUCO DE HISTÓRIA


A religião cristã nasceu durante o Império Romano. Por séculos se expandiu, conquistando poder e grande número de adeptos. Em 313 obteve do governo romano o direito á liberdade de culto; em 391 foi transformada em religião oficial do império. Entretanto, o poder da igreja só se consolidaria com a conversão dos povos germânicos ao catolicismo. Com isso, a Igreja sobreviveria à desagregação do Império Romano do Ocidente, ao mesmo tempo em que se transformava na mais poderosa instituição de seu tempo.
Em uma sociedade fragmentada, a Igreja católica garantia não só a unidade religiosa, mas também a política e a cultural. Com o controle da fé, ela ditava a forma de nascer, morrer, festejar, pensar, enfim, de todos os aspectos da vida dos seres humanos no mundo medieval.
A  Igreja católica foi a instituição mais poderosa da idade Média. Numa época em que a riqueza era medida pela quantidade de terras, a Igreja chegou a ser proprietária de quase dois terços das terras da Europa ocidental. Era a grande senhora feudal, participando das relações de suserana e vassalagem e controlando a servidão dos camponeses. Até hoje, em diversas regiões da Europa, podemos testemunhar o poder da Igreja católica no mundo medieval. As grandes catedrais construídas nos séculos XII e XIII são um dos exemplos desse poder. No início do século XVI, a mudança na mentalidade das sociedades européias repercutiu também no campo religioso. A Igreja, tão onipotente na Europa medieval, foi duramente criticada.
A instituição católica estava em descompasso com as transformações de seu tempo. Por exemplo, condenava o luxo excessivo e a usura. As graves críticas a Igreja já não permitiam apenas consertar internamente a casa. As insatisfações acumularam-se de tal maneira que desencadearam um movimento de ruptura na unidade cristã: a Reforma Protestante.
Assim, a Reforma foi motivada por um complexo de causa que ultrapassaram os limites da mera contestação religiosa. Com a difusão da imprensa, aumentou o número de exemplares da Bíblia disponíveis aos estudiosos, e um clima de reflexão crítica e de inquietação espiritual espalhou-se entre os cristãos europeus. Surgia, assim, uma nova vontade individual de entender as verdades divinas, sem a intermediação dos padres.
Desse novo espírito de interiorização da religião, que levou ao livre exame das Escrituras, nasceram diferentes interpretações da doutrina cristã. Nesse sentido, podemos citar, por exemplo, uma corrente religiosa que, apoiada na obra de Santo Agostinho, afirmava que a salvação do homem seria alcançada somente pela fé. Essas idéias opunham0se à posição oficial da Igreja, baseada em Santo Tomás de Aquino, pela qual a salvação do homem era alcançada pela e pelas boas obras. Analisando o comportamento do clero, diversos cristãos passaram a condenar energicamente os abusos e as corrupções. O alto clero de Roma estimulava negócios envolvendo religião (venda de objetos sagrados), tais como espinhos falsos, que coroaram a fronte de Cristo, panos que teriam embebido o sangue de seu rosto, objetos pessoais dos santos, etc.
Além do comércio de relíquias sagradas, a Igreja passou a vender indulgências (o perdão dos pecados). Mediante certo pagamento destinado a financiar obras da Igreja, os fiéis poderiam "comprar" a sua salvação.
No plano moral, inúmeros membros da Igreja também eram objeto de críticas. Multiplicavam-se os casos de padres envolvidos em escândalos amorosos, de monges bêbados e de bispos que vendiam os sacramentos, acumulando riquezas pessoais.
Esse mau comportamento do clero representava sério problema ético-religioso, pois a Igreja dizia que os sacerdotes eram os intermediários entre os homens e Deus. Com o fortalecimento das monarquias nacionais, os reis passaram a encara a Igreja, que tinha sede em Roma e utilizava o latim, como entidade estrangeira que interferia em seus países. A Igreja, por seu lado, insistia em se apresentar como instituição universal que unia o mundo cristão.
Essa noção de universalidade, entretanto, perdia força à medida que crescia o sentimento nacionalista. Cada Estado, com sua língua, seu povo e suas tradições, estava mais interessado em afirmar as diferenças do que as semelhanças em relação a outros Estados. A Reforma Protestante correspondeu a esses interesses nacionalistas. A doutrina cristã dos reformadores, por exemplo, foi divulgada na língua nacional de cada país e não tem latim, o idioma oficial da Igreja católica. A Reação católica contra o avanço protestante
Diante dos movimentos protestantes, a reação inicial e imediata da Igreja católica foi punir os rebeldes, na esperança de que as idéias reformistas não se propagassem e o mundo  cristão recuperasse a unidade perdida. Essa tática, entretanto, não obteve bons resultados. O movimento protestante avançou pela Europa, conquistando crescente número de seguidores.
Diante disso, ganhou força um amplo movimento de moralização do clero e de reorganização das estruturas administrativas da Igreja católica, que ficou conhecido como Reforma Católica ou Contra-Reforma. Seus principais líderes foram os papas Paulo III (1534-1549), Paulo IV (1555-1559), Pio V (1566-1572) e Xisto V (1585-1590)
Um conjunto de medidas forma adotadas pelos líderes da Contra-Reforma, tendo em vista deter o avanço do protestantismo. Entre essas medidas, destacam-se a aprovação da ordem dos jesuítas, a convocação do Concílio de Trento e o restabelecimento da Inquisição. No ano de 1540, o papa Paulo III aprovou a criação da ordem dos jesuítas ou Companhia de Jesus, fundada pelo militar espanhol Inácio de Loyola, em 1534.
Inspirando-se na estrutura militar, os jesuítas consideravam-se os "soldados da Igreja", cuja missão era combater a expansão do protestantismo. O combate deveria ser travado com as armas do espírito, e para isso Inácio de Loyola escreveu um livro básico, Os Exércitos Espirituais, propondo a conversão das pessoas ao catolicismo, mediante técnicas de contemplação.
A criação de escolas religiosas também foi um dos instrumentos da estratégia dos jesuítas. Outra arma utilizada foi a catequese dos não-cristãos, com os jesuítas empenhando-se em converter ao catolicismo os povos dos continentes recém-descobertos. O Objetivo era expandir o domínio católico para os demais continentes. 

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Oração Como estilo de Vida


Leitura no Evangelho de Lucas 2:25-38


1.       Simeão era Justo – Piedoso – e o Espírito Santo estava Sobre ele
·         Lucas diz que Simeão era Justo. Somos colocados diante de uma virtude que reflete o caráter de Deus. Deus é Justo.
·         Outra Qualidade ressaltada em Simeão é a Piedade. Piedade esta ligada ao respeito a Deus e a compaixão pelo sofrimento das pessoas.
·         Estevão foi sepultado por homens Piedosos,  Atos 8:2.
·         Paulo diz aos irmãos de Tessalônica que vivera entre eles de forma Piedosa, Justa e Irrepreensível, 1 Ts 2:10.   Outro Conselho Paulino para nós é o exercício da Piedade. Com o exercício vem a prática dando-nos a capacidade de exercer a vida ministerial com Piedade.
2.       A Profetisa Ana e sua vida Piedosa diante de Deus.  Decidiu viver servindo a Deus.  A oração e o Jejum era uma pratica voluntaria.   Ana tinha a oração como estilo e vida
3.      Exemplos Bíblicos de homens que tinham a oração como estilo de vida.  Davi – Homem segundo o coração de Deus  Davi nunca exerceu ministério sacerdotal, profético e nem levitico.  Davi foi pastor de gado miúdo (ovelhas), foi Militar em Israel e rei.  Mas, em todas as fazes de sua vida a oração fazia parte da prática piedosa de Davi, os  Salmos são testemunhas disto (7, 8, 9, 17, 18 entre outros tantos Salmos. Daniel – Mui Amado do Senhor. Daniel era de nobre nascimento, fui juntamente com Hananias, Misael e Azarias ao palácio do Rei Nabucodonosor. Tinha uma vida de Intensa atividade Política. Não tinha traços de que exercesse ministério religioso,  Porém, tinha a oração como estilo de vida, Dn 6:10
4.       A oração como estilo de vida em Nossas Vidas.  Não importa o quanto tempo você ora  Deus procura os verdadeiros Adoradores e espera por eles. Deus conta com nossa vida de Oração Para mudar as Circunstancia em nossa volta.
Sem duvidas Simeão, quando abraçou o verbo encarnado ela estava abraçando a maior das respostas de suas orações. Quando Ana, a filha de Fanuel viu Jesus ela estava diante daquele que ela esperava.
Davi trouxe a existência a vitoria de Israel, a derrocada dos Inimigos, dele e de seu povo. Daniel como resposta devolveu a Israel à liberdade do cativeiro.
Que nossas ações sejam baseadas no estilo de vida que temos. A Oração

quinta-feira, 12 de julho de 2012


O que eu vejo Deus fazendo
Quando dissemos que Deus é o mesmo ontem hoje e eternamente, estamos dizendo que de fato Sua forma de agir no meio do seu povo também é o mesmo. Quem dentre os cristãos, sobre tudo entre os pentecostais não aplaudem os testemunhos de curas e libertações realizados em nossas igrejas. Pois, bem, os milagres, as curas, as libertações são vistas com frequência em nossos cultos, é apenas observar.  A IEAB Vila Iolanda -Foz Iguaçu, recentemente foi tomada por uma alegria contagiante ao ouvir o testemunho contado pela Camila Fernanda Diaz Zubeldia, que é membro da igreja em Foz. Em dezembro de 2011 ela teve um filho, o Cristian Rafael, e desde muito cedo percebeu que ele não respondia aos estímulos de som, qualquer barulho à sua volta era ignorado por pelo Cristian. Camila tem uma filha de quatro anos que sempre estava em suas brincadeiras infantis e o Cristian, simplesmente ficava alheio a tudo. Camila foi tocada intimamente por Deus quando ouviu uma mensagem que dizia que a fé deve ser exercitada através da oração. Camila Orou pedindo ao Senhor a cura de seu filho. Sentiu a resposta de Deus e, Louvou e esperou o Milagre. Após um incidente em que a Larissa (a filha de quatro anos) que ao derrubar uma vassoura se assustou e gritou, Cristian, assustou-se também e começou a chorar, dando assim a resposta  de Deus a respeito da Cura. Logo em seguida foi feito Os exames médicos que confirmaram  ele tinha problemas auditivos. Neste momento a dúvida surgiu: Deus não curou meu Filho!? Bom, os exames deram positivos e uma nova avaliação ficou marcada para outra data, e a família continuou crendo e no Milagre recebido. No dia 24/04/2012 (vinte e quatro de abril) um novo exame foi feito e agora os exames mostraram que o Cristian estava com todas as faculdades auditivas em perfeito estado, ouvindo até mesmo cochichos. Os resultados dos dois exames comprovam a cura plena do pequeno. Que neste período esteve internado na UTI com bronquiolite  e recebeu também a graça da cura. Como pastor pastor de Camila e sua família Acompanheiu este processo de busca da família. Quando Camila contou este testemunho na Igreja foi um momento de muito jubilo para toda igreja que aplaudiu Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo Pelo Milagre.

A Ele seja a Glória.

domingo, 1 de julho de 2012


Os Simbolo do Cristianismo na História
 Todas as religiões e ideologias têm seu símbolo visual, que exem­plifica um aspecto importante de sua história ou crenças. O judaísmo antigo, com medo de quebrar o segundo mandamento, que proíbe a fabricação de imagens, evitava sinais e símbolos visuais. O judaísmo moderno, porém, emprega o assim chamado Escudo ou Estrela de Davi, um hexagrama formado pela combinação de dois triângulos equiláteros. O Escudo fala da aliança de Deus com Davi de que o trono deste seria estabelecido para sempre e que o Messias viria da sua descendência. O Cristianismo, portanto, não é exceção quanto a possuir um sím­bolo visual.    Todavia, a cruz não foi o primeiro. Por causa das selvagens acusações dirigidas contra os cristãos, e da perseguição a que estes foram submetidos, eles tiveram de "ser muito circunspectos e evitar ostentar sua fé. Assim a cruz, agora símbolo universal do Cris­tianismo, a princípio foi evitada, não somente por causa da sua as­sociação direta com Cristo, mas, também em virtude de sua associação vergonhosa com a execução de um criminoso comum". De modo que nas paredes e tetos das catacumbas (sepulcros subterrâneos na periferia de Roma, onde os cristãos perseguidos provavelmente se esconderam), os primeiros motivos cristãos parecem ter sido ou pin­turas evasivas de um pavão (que se dizia simbolizar a imortalidade), uma pomba, o louro dos atletas ou, em particular, de um peixe. Somente os iniciados saberiam, e ninguém mais poderia adivinhar que ichthys ("peixe") era o acrônimo de Iesus Christos Theou Huios Soter ("Jesus Cristo Filho de Deus Salvador"). Mas o peixe não permaneceu como símbolo cristão, sem dúvida porque a associação entre Jesus e o peixe era meramente acronímica (uma disposição fortuita de letras) e não possuía nenhuma importância visual.  Um emblema cristão universalmente aceito teria, obviamente, de falar a respeito de Jesus Cristo, mas as possibilidades eram enormes. Os cristãos podiam ter escolhido a manjedoura em que o menino Jesus foi colocado, ou o banco de carpinteiro em que ele trabalhou durante sua juventude em Nazaré, dignificando o trabalho manual, ou o barco do qual ele ensinava as multidões na Galiléia, ou a toalha que ele usou ao lavar os pés dos apóstolos, a qual teria  falado de seu espírito de humilde serviço. Também, havia a pedra que, tendo sido removida da entrada do túmulo de José, teria proclamado a ressurreição. Outras possibilidades eram o trono, símbolo de soberania di­vina, o qual João, em sua visão, viu que Jesus partilhava, ou a pomba, símbolo do Espírito Santo enviado do céu no dia do Pentecoste. Qualquer destes sete símbolos teria sido apropriado para indicar um as­pecto do ministério do Senhor. Mas, pelo contrário, o símbolo escolhido foi uma simples cruz. Seus dois braços já simbolizavam, desde a remota antiguidade, os eixos entre o céu e a terra. Mas, a escolha dos cristãos possuía uma explicação mais específica. Deseja­vam comemorar, como centro da compreensão que tinham de Jesus, não o seu nascimento nem a sua juventude, nem o seu ensino nem o seu serviço, nem a sua ressurreição nem o seu reino, nem a sua dádiva do Espírito, mas a sua morte e a sua crucificação.(imagem http://antoniogilberto.blogspot.com.br/2011/09/cruz-de-cristo-e-suas-dimensoes.html)

terça-feira, 19 de junho de 2012


  A Igreja e a Missão Urbana
A Igreja, como comunidade sob o Reinado de DEUS, faz parte da história, e nela sinaliza o Reinado do DEUS, que já está presente em si, e influência a sociedade para que, na medida do possível, experimente os padrões do reinado, implantando a justiça onde o conseguir, e o faz para que a sociedade tenha qualidade de vida, mas, jamais perde o foco da eternidade, porque hoje é tempo de arrependimento, pois, toda a rebelião será debelada, e o Reinado de DEUS será estabelecido, e só os arrependidos nele viverão.
    A Perspectiva de Missão Urbana.
 A missão pode ou não envolver o cruzamento de fronteiras geográficas; porém, em qualquer caso, envolve primordialmente o cruzamento da fronteira entre o que é fé e o que não é em função do testemunho acerca de Jesus Cristo como Senhor da vida como um todo e de toda a criação. Cada geração de cristãos em todos os lugares recebe o Poder de Deus que torna possível o testemunho do evangelho em Jerusalém e em todas as cidades (Atos 1.8). Em outras palavras, cada igreja, onde quer que esteja, é chamada a participar na missão de Deus.
III.           Uma Missão Urbana
Começando em sua própria “Jerusalém”, sua base missionária, a igreja tem hoje o desafio de expressar a vontade de Deus. As cidades se tornaram um emaranhado de construções, entre prédios, casas, barrocões, barracos. Neste contexto encontramos os múltiplos desafios.
·         Nos prédios arranhas céus, estão os de elevadas condições financeiras. Muitas vezes precisando de reclusos em um mundo distantes de amigos verdadeiros. Pressionados pela sociedade vivem em um mundo de isolamento.
·         Os Marginalizados. Composto por um grupo heterogêneo – Mendigos, bandidos, viciados, prostitutos, homossexuais, bêbados.

  Males Tipicamente Urbanos
A depressão, um mal que surgiu forte nas últimas décadas, do Século passado, tem Levado muitas pessoas ao desespero. Muitas Pessoas acabaram desistindo da vida. Outras deram cabo de sua própria existência.
A causa da depressão está associada ao caos familiar, às drogas, à prostituição, à liberdade sexual inconsequente, bebidas, à miséria, ao desemprego, à corrupção, estas pragas estão em todos os setores da sociedade. E esperam a manifestação da Igreja, que tem em seu poder a Multiforme Graça Divina.
 A Manifestação da Multiforme Graça Divina
 “servindo uns aos outros conforme o dom que cada um recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus.”1ª. Pe 4:10. O compromisso com a missão está na própria essência de ser Igreja; portanto, a igreja que não se compromete com a missão de testificar acerca de Jesus Cristo. Isto com Palavras e ações. Seu propósito é encarnar os valores do Reino de Deus e testificar do amor e da justiça revelados em Jesus Cristo, no poder do Espírito, em função da transformação da vida humana em todas as suas dimensões, tanto em pessoal como em âmbito comunitário.
·         Neste contexto vemos a manifestação da graça divina por intermédio de homes e mulheres que através de suas vidas e dons servem aos moradores das cidades, sejam pobres, ricos, ou mendigos.
·         Quando se pensa na cidade como aglomerado  humano deve ter em mente todas as pessoa inclusive aquelas que estão à margem da sociedade.
Conclusão
Vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o vosso nome, VENHA A NÓS O TEU REINO,  seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia dai-nos hoje. Perdoa-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores. E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Pois Teu é o REINO o poder e a glória para sempre, amém! Que o Reino de Deus seja Implantado nas nossas Cidades. 

CURA INTREGRAL
“O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração,
A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor.
E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele.

Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos”
Lc 4:18-21.
O Evangelho todo é para todo o homem e para o homem todo.
Com esta frase quero falar sobre a Cura Integral. A Missão de nossa Igreja é Evangelizar E Discipular Pessoas; Curá-las Integralmente; Torná-la Verdadeiras Adoradoras; Ajudá-las a Crescer na Comunhão com Deus e com os irmãos; Equipá-las para servirem a Deus e ao Próximo Através dos Dons Espirituais; A fim de Glorificar o nome do Senhor Jesus.  
O Ser humano é composto de corpo, alma e espírito. Com a Rebelião o corpo humano tornou-se enfermo, a alma humana traspassada e escravizada e o espírito sob julgado.
A igreja então tem como uma de suas missões: Curar as pessoas Integralmente – Espírito, Alma E Corpo.
1.    A cura do Corpo
 Igreja tem uma função terapêutica na sociedade, Timóteo; Ezequias, o Paralitico de Cafarnaum, são exemplos de Cura física. A cura do corpo pode ser medicamentosa, ou espiritual. A igreja deve agir na cura do corpo.
2.    Cura da Alma
 As emoções precisão ser tratadas. Da mesma forma que o organismo ficou abalado a alma também, perdeu a sua originalidade e sobre com as mudanças e influências externas. Sentimentos: alegrias, decepções, frustrações. Exemplos como o do Profeta Oseías, Moises, Davi, Jó.

3.    Cura do Espírito
Com a atitude de Adão e Eva, o espírito que fora criado para adorar a Deus, começou a adorar tudo o que aparecia em sua frente. Os astros celestes, os astros humanos, criações do imaginário.
A Igreja tem de Deus a função para curar integralmente o ser humano a exemplo de Jesus: “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.
“Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.
“Venham a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”,
 Mt 11:28-30

terça-feira, 1 de maio de 2012

Uma vida deve ser aproveitada em sua plenitude, quando isto não acontece, um grande desperdício é  presenciado. A vida, ou melhor, a vida humana é algo, como poderia dizer, uma joia preciosa, ou algo de extremo valor, deve ser cuidado. Infelizmente, muitos não cuidam da vida como deveria fazer. Com atitudes desregradas e hábitos prejudiciais.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Formação e Competência

Se acreditamos que a formação de competências não é evidente e
que depende em parte da escolaridade básica, resta decidir quais ela
deveria desenvolve prioritariamente. Ninguém pretende que todo
saber deve ser aprendido na escola. Uma boa parte dos saberes
humanos é adquirida por outras vias. Por que seria diferente com as
competências? Dizer que cabe a escola desenvolver competências
não significa confiar-lhe o monopólio disso.

Philippe Perrenoud

sábado, 7 de abril de 2012

ANTROPOLOGIA

Dizem que é a cultura que faz o indivíduo agir como age. Mas, então, por que há sempre aqueles que rejeitam a sua própria cultura, agindo ao contrário daquilo que é aceito por todos? A cultura não é uma explicação total. Outros, ainda, dizem que a explicação está na psicologia. Mas a psicologia do comportamento difere de um lugar para outro, e não se pode categorizar todos os povos da mesma maneira. Um exemplo é a teoria de Freud, de que o fundamento dos problemas psicológicos do homem começou com o senso de culpa causado pela raiva e competição entre o filho e o pai, a figura de autoridade no lar. Mas Freud pensava que em todas as culturas do mundo era o pai quem dominava. Acontece que há certas culturas onde é a mãe quem domina, e ela é a figura de autoridade. A teoria de Freud não tem valor em tais culturas (e provavelmente nem na nossa, depois que os anos tiraram um pouco do "brilho" das suas idéias).
Já outros dizem que isso tudo natural". Mas o que é natural para nós pode não ser natural para outros. É natural querermos que nosso pai tenha uma só esposa. Mas para algumas tribos da África é perfeitamente natural o pai ter muitas esposas para poderem ajudar no trabalho, para protegerem o lar contra inimigos e para ajudarem nos projetos da família. Para nós, "é natural" que um homem queira que sua esposa seja fiel a ele, mas os esquimós acham muito "natural" emprestar sua esposa para os homens que visitam seus lares. Enfim, o que é natural para nós pode não ser natural para outros, e vice-versa. Isto também não nos dá a solução do problema — o porquê do comportamento humano.

domingo, 25 de março de 2012

Amar e ser Amado

Amar e ser amado sempre foi um desafio e tanto. O amor é visto de ângulos diferentes, no minimo três
1. Amor conhecido como eros. Onde principia a palavra erotismo, amor ligado às expressões sexuais. 
2. Amor conhecido com Fíleo. Relacionado ao amor entre parentes, ligado a expressão fraterna, amigável.
3. Amor Ágape. Aqui definido como amor de Deus. Amor que manifesta a graça divina. 
Todas estas expressões de amor imagina-se uma via de mão dupla. Amar e Ser amado.
As vezes penso que esta não tem sido uma prática. as vezes amamos e não somos amados. Outras vezes somos amados mas, não amamos. 
Isto não é bom, pois, falta a reciprocidade. Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. Nisto se manifesta o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus; se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeito o seu amor. 
1 João 4:7-12

quinta-feira, 22 de março de 2012

Tempo de Honra

A vontade de sempre foi um povo honrado, respeitado, com dignidade, em vários textos, tanto do Antigo Testamento como também do Novo Testamento, se refere à honra. Honrar e ser honrado são uma prática recíproca. Uma vida de Honra. Mardoqueu honrava ao Senhor, honrava sua família, honrava seu povo.  Ester 6:1-14, Texto Chave versículo 11. A honra não impede as perseguições. Hamã um oportunista, sedento de poder. Hamã preparou uma forca para Mardoqueu. Quando Deus quer honrar Alguém Ele simplesmente Honra. O rei lembra-se das atitudes de seu servo. O rei honra diante de todos Àqueles que ele quer honrar. Do anonimato ao  respeito das pessoas.
Honrando a Deus na Sociedade. Temos que seguir princípios.
Devemos Honrar ao Senhor, Pv 3:9; Honrar a Deus com a vida, com os bens, com uma vida de Santidade. Honrar o Matrimônio Hb 13:4, Uma vida de fidelidade, Palavras que dão estímulos ao cônjuge, Atitudes de respeito no trato para com o cônjuge. Honrar Pai e Mãe Ef 6:2, Palavras e atitudes de obediência, Uma vida de serviço e respeito, Este comportamento traz longevidade. Ser Vaso de Honra 2 Tm 2:21, Vida Santa, Vida que inspira, Vida que Glorifica a Deus. Quando chega o tempo de Honra Ninguém pode impedir o agir de Deus. Vivemos um tempo de honra. Honre a Deus, Honre sua família, honre seus pais, seja um vaso de Honra e tenha como resposta divina, uma vida de honra. O que você semear isto mesmo colherá se plantou desonra colheras desonras, mas, se com alegria honrou, serás honrado. Pois vivemos um tempo de honra. A Deus seja, o Poder, a Honra, e a Glória.


domingo, 4 de março de 2012

Um Milagre em Minha Casa

Neste texto quero trazer o tema “um milagre na minha casa”. Quero mostrar que dentro de cada lar o milagre está presente e as pessoas não percebem. Vejamos a narrativa do texto: “Ora uma dentre as mulheres dos filhos dos profetas clamou a Eliseu, dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que o teu servo temia ao Senhor. Agora acaba de chegar o credor para levar-me os meus dois filhos para serem escravos. Perguntou-lhe Eliseu: Que te hei de fazer? Dize-me o que tens em casa. E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite. Disse-lhe ele: Vai, pede emprestadas vasilhas a todos os teus vizinhos, vasilhas vazias, não poucas. Depois entra, e fecha a porta sobre ti e sobre teus filhos; deita azeite em todas essas vasilhas, e põe à parte a que estiver cheia.
Então ela se apartou dele. Depois, fechada a porta sobre si e sobre seus filhos, estes lhe chegavam às vasilhas, e ela as enchia. Cheias que foram as vasilhas, disse a seu filho: Chega-me ainda uma vasilha. Mas ele respondeu: Não há mais vasilha nenhuma. Então o azeite parou. Veio ela, pois, e o fez saber ao homem de Deus. Disse-lhe ele: Vai, vende o azeite, e paga a tua dívida; e tu e teus filhos vivei do resto, 2 Rs 4:1-7”.
O Casamento e a Família devem estar no Senhor. Veja o texto: “Ora uma dentre as mulheres dos filhos dos profetas”. Não é possível estar coma família solida e edificada sem estar em Cristo Jesus. Muitas famílias piram por causa da falta da estrutura em Cristo. Você pode colocar sua família no altar de Deus.
Viver no dia de Hoje com se fosse o ultimo dia. Meu marido, teu servo, morreu. Nesta declaração fica evidente que a morte esta à procura de vidas todos os dias. E com morte do profeta ele deixou mais do que a saudade, ele deixou dividas, colocando em risco a liberdade de sua família. Devemos estar preparados para a morte, pois, assim,  quando partirmos deste mundo iremos estar com o Senhor, e deixaremos apenas a lembrança e a saudade. 
Comprometimento com a Obra de Deus. “e tu sabes que o teu servo temia ao Senhor”. Esta frase da à impressão que aquela mulher estava dizendo para Eliseu: Meu marido tinha uma vida de trabalho dedicado à causa de Deus, ele tinha compromisso com o Senhor. Devemos ter uma vida de Compromisso com a causa de Deus na terra bem como com sua Palavra.
Valorize o que você tem. “Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite”. Diante da pergunta do profeta a mulher diz não ter nada em casa, além de uma botija de azeite. Quantas vezes não valorizamos o que temos em casa. Sempre supervalorizamos o que é de outros. O carro do outro é melhor, o filho do outro é mais inteligente, a esposa do amigo é prendado, o marido da colega é mais competente, até o cão de guarda do quintal vizinho é mais bravo, etc.
O Milagre está em sua casa. Depois, fechada a porta sobre si e sobre seus filhos, estes lhe chegavam às vasilhas, e ela as enchia. Há uma fonte inesgotável das bênçãos de Deus em sua casa. Busca em oração a direção, e descubra onde esta fonte de poder multiplicador. Busque com zelo e o Espírito Santo vai revelar a você as riquezas em seu lar.


segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Palavra de Alerta

Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm a sua própria consciência cauterizada, proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graças pelos que são fiéis e que conhecem bem a verdade (1 Tm 4:1-3).

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Crescimento Quantitativo da Igreja


A liderança Eclesiástica, nos últimos séculos tem sido desafiada a levar a Igreja de Cristo a conquistas de um crescimento numérico e qualitativo. Não são poucos os simpósios, conferências, e seminários sobre o crescimento de igrejas. Muitos artigos, livros, têm sido publicados para poder de alguma forma provocar o crescimento da igreja. E um Crescimento Quantitativo pode trazer um desconforto para a comunidade Cristã. O desconforto surge por causa da falta de um discipulado realmente voltado para Palavra de Deus e em contrapartida a parcela de contribuição em obediência a este discipulado. Somos chamados a buscar as pessoas e a nos importar com elas. Jesus disse: “Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura” (Mc 16:15), dando aos discípulos a incumbência de evangelizar o mundo. Contrário a todas estas afirmações pelo Próprio Senhor Jesus, identificamos um mover apenas sendo realizado em forma de negociação, ou seja, o individuo antes de publicar a sua fé aguarda receber algo. Isso tudo faz com que a igreja enfrente dificuldades no cumprimento destes mandamentos. A Sustentabilidade de um Crescimento Quantitativo Usando Ferramentas Qualitativas pode ser possível desde que lideres religiosos volte se totalmente para a instrução da Palavra de Deus, e faz dela a fonte de total inspiração, especificamente aqui levanto como exemplo a evangelização como pratica primordial da Igreja e do Crescimento Quantitativo

sábado, 28 de janeiro de 2012

Uma Igreja que cresce

A liderança da Igreja nutre sempre o desejo de ver a igreja em pleno desenvolvimento. Em qualquer lugar do mundo o cristão tem um anseio de crescimento da Igreja de Cristo. Todas as igrejas que crescem apresentam marcas semelhantes. Não importa a cultura ou o país, estas marcas estão presentes. Vamos chamar de qualidade nas igrejas que crescem.
Liderança (Credencial e Caráter).  As Credenciais são transitórias – olha para as realizações passadas – provoca inveja. O Caráter é Permanente – agrega valores a muitas pessoas – constrói herança para o futuro – gera respeito e integridade.
Operando nos Dons - É importante descobrirmos qual o nosso dom. Recebemos dons naturais, que são as nossas habilidades; Recebemos Dons Espirituais; Recebemos Dons Ministeriais. Quando descobrimos qual é nosso dom trabalhamos sem pressão, produzimos mais, nos cansamos menos e não colidimos e/ou disputamos espaço no reino de Deus.  O ministério orientado pelos dons possibilita a igreja a fluir no crescimento com Deus.
Fé Contagiante - Este é um ponto importante, pois, a igreja que consegue inspirar de forma positiva uma pessoa, consegue trazer outras a Si. Não significa uma igreja com liturgias efusivas, mas, sim, uma igreja que inspira as pessoas a viver uma vida cristã. A Espiritualidade Contagiante é você ver em outros, atitudes e não retórica. John Wesley viajou da Inglaterra para os USA em um navio e observou durante sua viagem as atitudes dos irmãos Moravianos e ficou impressionado. Quando voltou para casa ele disse: “Fui a America para salvar os Índios, e quem foi salvo fui eu”.
Estruturas que Funcionam - Nossa igreja é composta de uma estrutura sólida. O que seria as estruturas em nossas igrejas? Presbíteros, Assessorias, Diáconia, Ministérios de Louvor, Escola Bíblica Dominical. Quando as estruturas funcionam colaboram para o crescimento da Igreja.
Cultos que Insiram - Um culto Inspirador começa na Segunda-feira. Tem a participação da Zeladora, Equipe de recepcionista. Conta com a sabedoria e discrição do dirigente (ele não é estrela). O culto Inspirador conta com a prudência de quem usa o microfone. A Reverência dos Músicos, A Unção do Pregador, E o Cumprimento do Fim do Culto. O Culto Inspirador é aquele que deixa saudades quando termina, deixa ansioso o coração para o próximo.
Pequenos Grupos - Uma grande comunidade precisa deste ministério. É impossível o Pastor e os auxiliares dar a atenção necessária a cada membro. A comunhão pode perfeitamente ser praticada nos pequenos grupos. Grupos com afinidades, com amizades favorecem o companheirismo e a prática do amor ágape.
Evangelizando com vistas nas necessidades - Quando sabemos o que um determinado grupo, ou pessoa, está precisando fica mais fácil atingir seu coração. Palavras podem ser meras retóricas, atitudes são verdadeiros abraços. Qual é a real necessidade da pessoa? Está pergunta pode ser feita em nossas ações evangelizadora.
O Mais Importante é o Amor - Sentimo-nos bem onde somos amados e valorizados. O Amor fraternal é a credencial do verdadeiro discípulo de Jesus. Ele disse: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros”, Jo 13:35.
Se almejarmos uma grande igreja, que tenha nela acrescentados todos os dias novas pessoas precisamos fortalecer estas marcas de qualidades em nossas igrejas.






sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Em todo Tempo eu Louvarei...

Em tempos de guerras, o que queremos é a Paz.

Em tempos de escassez o que queremos é prosperidade.
Em tempos de baixas temperaturas o que queremos e estar aquecidos.
Em tempos de altas temperaturas o que queremos é refrigério.
Em tempo de agitação o que queremos é a calmaria....
Mas, em todos estes tempos, nós precisamos da graça divina.
Pois, a graça é suficiente em todos os tempos de nossas vidas.