terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Uma vida de Austeridade



Seria ele o Chaves do SBT - Não, mas, morava em um barril, e enfrentou Alexandre, o Grande. Diógenes, o cínico grego nascido em Sinope, uma das figuras mais significativas e um símbolo da história do cinismo, doutrina fundada por Antístenes de Atenas, a qual rezava que riqueza e fama eram males e pobreza e obscuridade bens. Morou quase toda a vida em Atenas, para onde foi ao ser acusado em sua cidade de fabricar moeda falsa. Estudou com Antístenes, o fundador da escola dos cínicos, que por sua vez fora discípulo de Sócrates. Sua vida, segundo a tradição, de extrema pobreza, era na verdade, a aplicação prática de suas ideias e uma forma de demonstrar a possibilidade de acabar com as convenções sociais, e alcançar assim a autarquia. Defendia a autossuficiência (autarquia) e negava a necessidade de valores como a família, a cultura e o estado. Dizia que a felicidade se obtém pela satisfação das necessidades da maneira mais econômica e simples. Afirmava que tudo que é natural não é desonroso, nem indecente, e, portanto, pode e deve ser feito em público. Seu principal discípulo foi Crates, que viveu no início do século III a. C., morreu em Corinto e do que escreveu, nada restou. Para se ter uma ideia de sua personalidade conta-se que sentia tal desprezo pela humanidade que morava dentro de um barril e caminhava pelas ruas de Atenas, com uma lâmpada, à procura de um homem honesto. Quando Alexandre o Grande parou diante do seu barril e perguntou-lhe o que desejava, respondeu-lhe Que não me tires o que não me podes dar!, referindo-se ao sol, pois o corpo do imperador estava a lhe fazer sombra. Com ele a escola socrática menor fundada por Antístenes, adquiriu popularidade. "Conduzido a uma casa esplêndida, o dono lhe proibiu cuspir, porém ele lhe cuspiu no rosto, dizendo que não havia encontrado lugar mais sujo" (D. Laércio, VI). "Em certa ocasião em pleno dia, acendeu uma lanterna e saiu gritando: busco um homem" Perguntado de onde era, respondeu: - Sou cidadão do mundo!. Morreu, ao que parece, em Corinto, e do que escreveu, nada restou.

Segurança Eterna – João 6:1-70

Há alguns dias compartilhei o texto do Evangelho de João onde narra a multiplicação dos Pães e dos Peixes. No episódio Jesus é seguido por uma grande multidão magnetizada por causa dos sinais de curas e milagres, realizados por Jesus, e em consequência disso, acabaram por serem alimentados por Jesus, em uma ação espetacular, onde cinco Pães e dois peixes alimentam uma multidão e após todos estarem satisfeitos, sobraram doze cestos cheios. Pois, bem, a vida segue e pouco tempo depois, a multidão está novamente a procura de Jesus, e neste ponto há uma mudança drástica no conteúdo do texto. Jesus enfrenta aquelas pessoas dizendo que eles o seguiam por causa do pão que Ele havia dado a eles. “Vocês precisam trabalhar não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para sempre”, Disse Jesus, Jo 6:27. E isto significa acreditar Naquele que Deus enviou do céu. Aquelas pessoas não se intimidaram diante das palavras de Jesus e com ousadia perguntaram: “que sinais Você faz para que acreditemos em Você”? Jo 6:30. Parece brincadeira! João diz no versículo dois que aquelas pessoas estavam atrás de Jesus por causa dos sinais, e no versículo trinta eles estão perguntando quais sinais Jesus iria realizar para que eles pudessem crer. Absurdo não é!? Na verdade o que estava acontecendo é que eles viviam admirandos e aplaudindo ao ver o paralitico andar, os cegos enxergarem, leprosos ficarem limpos, pessoas possessas por demônios serem libertas. As suas emoções dessa forma estavam sendo satisfeitas. Na verdade somos condicionados ao sensorial. Alimentados fisicamente, e emocionalmente satisfeito, o que queremos mais. Jesus quer levá-los além. Quer caminhar com eles em direção a eternidade. Um compromisso que supera o corpo e suas necessidades primaria e as emoções com suas demandas, quer conduzir ao futuro eterno. A Multiplicação dos Pães está relacionada à necessidade primaria do ser humano. As pessoas sentem-se magnetizada com o extraordinário (curas e exorcismos), mas Jesus Inaugura a Vinda do Reino de Deus na Terra, e Ele mesmo é o Salvador prometido. Diante disto parece que os homens preferem viver o ciclo humano terreno diante de um Cristo que lhes oferece a segurança eterna, uma vida vivida no  espírito. Na historia da humanidade temos visto tantos profetas, vários códigos de leis, inclusive a de Moises, os grandes filósofos, mas, em nenhum alguém poderia dizer: tenho segurança na eternidade por intermédio dele. Mas, de Jesus Pedro disse: “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. E nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente, João 6:68-69”. O escritor aos hebreus nos apresenta um Cristo ousado que não se atreve a usar sangue alheio, mas o Seu próprio sangue, para dar aos que crêem Nele, a Segurança eterna. Você tem segurança eterna? O Seu profeta, ou seu padroeiro, ou sua ideologia, ou postura filosófica diante da vida te garante esta segurança eterna? Como saber? Diante de um testemunho como este: “Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus; Nem também para a si mesmo se oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário com sangue alheio; De outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo, Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação”, Hebreus 9:24-28. A Eternidade é Real. “Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar, a promessa. Porque ainda um pouquinho de tempo, E o que há de vir virá, e não tardará. Mas o justo viverá pela fé; E, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, não somos daqueles que se retiram para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma”, Hebreus 10:36-39.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Um Prefácio da Vida

Todos dão testemunho de Demétrio, até a mesma verdade; e também nós testemunhamos; e vós bem sabeis que o nosso testemunho é verdadeiro. 3 João 1:12. O ministério pastoral tem muitas atribuições litúrgicas e ofícios a serem realizados  tais como batismos, Ceia do Senhor, casamentos, dedicação de crianças, cultos fúnebres, consagrações de obreiros e consagração de templos, entre outros. E de todos esses o mais difícil é o momento fúnebre, onde, estamos diante de uma família em luto. Nessas horas temos a oportunidade de ver as pessoas discursando, ou  dando testemunho a respeito de quem esta passando para a eternidade. Sei que a introdução deste texto é pesada, mas, quero falar sobre como somos visto pelos outros. Como as pessoas nos vêem e nos compreende. Se um de meus amigos fosse convidado para escrever um prefacio a respeito de minha vida o que ele dirá. Prefácio denominação dada a um texto introdutório de uma obra (livro), onde o prefaciante descreve de forma sucinta (resumida) o objetivo da obra, sua estrutura e conteúdos, bem como discorre sobre o autor. O prefaciante é sempre uma pessoa conhecedora da temática da obra e de seu ator. Prefaciei o livro, Mensagem de Deus para você volume dois, de meu amigo Pr Roberto Ferreira, e pensei que fosse mais fácil, prefaciar. Agora, escrever sobre alguém é falar o que se vê e o que se pensa a respeito dele, de forma sincera. O que eu penso a meu respeito nem sempre é o que as pessoas vêem nas minhas atitudes. Se eu pudesse ler um prefacio à meu respeito, será que eu iria gostar. Bom, quero dizer que nosso juízo a nosso respeito, não é o que os outros pensam de nós. Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância, disse Sócrates. O que escreveriam ao seu respeito, ou qual seria o discurso que fariam sobre você? Já pensou nisto? Viva sua vida como uma história de amor. Não um dramalhão, mas, história cujo prefacio fosse agradável para sua família, amigos e para anônimos.




sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Fidelidade



Diógenes foi aluno de Antístenes, fundador da escola cínica. Em sua época Diógenes foi destaque e símbolo do cinismo pois tornou sua filosofia uma forma de viver radical. Diógenes expressava seu pensamento através da frase "procuro um homem". Conforme relatos históricos ele andava durante o dia em meio às pessoas com uma lanterna acessa pronunciando ironicamente a frase. Buscava um homem que vivesse segundo a sua essência. Procurava um homem que vivesse sua vida superando as exterioridades exigidas pelas convenções sociais como comportamento, dinheiro, luxo ou conforto. Ele buscava um homem que tivesse encontrado a sua verdadeira natureza, que vivesse conforme ela e que fosse feliz. Fidelidade é o termo com origem no latim fidelis, que significa uma atitude de quem é fiel, de quem tem compromisso com aquilo que assume. É uma característica daquele que é leal, que é confiável, honesto e verdadeiro. Fidelidade é um adjetivo que faz toda a diferença em um relacionamento. A convivência é baseada na fidelidade do outro. Quando esta confiança é quebrada fica difícil a convivência. Quero dizer que a fidelidade não faz parte apenas dos cristãos, ela é inerente ao ser humano (se bem que alguns animais de estimação também são fieis). Neste texto quero pontuar algumas das sequelas deixadas pela infidelidade. No casamento as feridas são profundas,  atingido a todos na família (da família do que traiu e da família do que com quem traiu). Mas, a infidelidade pode ser por parte de amigos, com quem temos profunda admiração e companheirismo, quando de repente somos surpreendidos com o abandono destes. Nos projetos políticos existe a infidelidade partidária, quando alguém do grupo por interesses particulares caminham para outra Sigla. Nos projetos do Reino de Deus não são raros os casos de infidelidade. Uma equipe montada, um projeto em andamento, e subitamente, novos rumos são traçados por quem fazia parte da equipe. O motivo? Poxa! As respostas são diversas: carreira solo; nova visão; encontrou-se um grupo melhor; etc. etc. etc. O estrago produzido no grupo é grande, uma abertura que será cicatrizada, mas a custo de dores. Ah! A infidelidade é cruel! Muito Cruel. Fomos chamados para fidelidade, quando isso acontece expressamos um dos atributos de Deus. Salva-nos, SENHOR, porque faltam os homens bons; porque são poucos os fiéis entre os filhos dos homens. Salmos 12:1. Seja fiel aos projetos de Deus em sua vida. Nas sentenças de Diógenes ele dizia: Busco um homem honesto. Elogiar a si mesmo desagrada a todos. O amor é uma ocupação de quem não tem o que fazer. - O insulto ofende a quem o faz e não a quem o recebe.  A sabedoria serve para reprimir os jovens, para consolar os velhos, para enriquecer os pobres e para enfeitar os ricos. - A liberdade para falar é a coisa mais bela para um homem. - Um filósofo só serve para machucar os sentimentos de alguém. - O tempo é o espelho da eternidade. Sou uma criatura do mundo. 


quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

A Igreja Perfeita- O Pastor Ideal - Deus do Já

Foi arguido pelo meu filho sobre a possibilidade de um recém-nascido filho de pais incrédulos ser  salvo por Jesus no caso de sua morte prematura. Minha resposta baseada na crença cristã de que dos tais é o Reino de Deus, e que a salvação é individual. A partir desta conversa desenvolvi uma reflexão sobre o tema Morar no céu. Com uma pergunta em mente: Será que eu estou preparado para morar no céu? Veja, bem, a ideia esta baseada na forma de vida que desenvolvemos na vida comum da comunidade cristã nos dias atuais. Buscamos a IGREJA PERFEITA, BUSCAMOS O PASTOR IDEAL, DEUS PRECISA SATISFAZER NOSSOS ANSEIOS. Pois bem, imagina eu chegando ao céu, e com a consciência dessa vida na sala do trono encontrar aquela pessoal que eu não considerava, ver aquela mulher que destruiu um casamento. Ver abraçando Jesus aquele indivíduo que puxou meu tapete. Qual seria minha reação. Na boa, criamos nosso modelo de perfeição, criamos nosso Teotipo (Um tipo de Deus) , idealizamos uma Eclesiutópica (Uma igreja utópica), um pastor-hollywoodiano (Pastor tipo de filme). Esquecemo-nos ( como dizem meus amigos calvinistas) da Soberania de Deus. Deus é Soberano é pronto! A Igreja (comunidade) têm problemas, e eu sou parte deste problema. O Pastor é um homem comum, não tem todas as respostas, e tem (na maioria das vezes) uma família. Deus não é obrigado a me dar tudo o que eu acho bom para minha vida. É eu quem orbito em torno Dele e não Ele que me gira em torno de Mim. O Sol da Justiça é Jesus, eu sou um antropos (homem)que espera na graça e tão somente na graça Divina. Se eu estou preparado para morar no Céu? Sinceramente? ......Salvo pela Graça sou Salvo é nisto que creio. Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Efésios 2:8
 *imagem ilustrativa

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Plenamente Curado

A libertação plena na vida humana só é possível se ela tiver liberdade, a liberdade torna-se fator primário no desenvolvimento saudável na personalidade e maturação do caráter. Jesus disse que a liberdade é uma aquisição alcançada através do Conhecimento: e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará Jo 8.32. É possível perceber então que a liberdade está condicionada ao conhecimento. Para contrapor, alguém pode argumentar que uma pessoa é livre pelo fato de andar livremente, e ninguém poderá contradizer, mas ao ver a conduta desses indivíduos verá que é livre para caminhar, mas vive em uma redoma, prisão interna. Presos pelas questões estéticas, presos pelas questões ideológicas, presos pelas questões filosóficas, ou presos pelas questões religiosas. O que me levou a propor o tema: Plenamente Curados, foi uma mensagem que ouvi (como procuro ser um bom ouvinte, fiz silenciar todo o ruído interior que me impede de ouvir). Quando o outro está falando devemos silenciar nosso interior para poder ouvir bem e com clareza! O assunto era sobre a cura dos dez leprosos, feita por Jesus. Aqueles homens viviam as mesmas experiências de dor abandono, desprezo, e solidão. Eram homens doentes por fora (na carne) e por dentro (as emoções). Lucas, o evangelista ao narrar a historia diz que Jesus disse para que eles procurassem o sacerdote para que este testificasse de suas curas, e depois, poderiam voltar ao convívio da família e amigos (Lc 17). Antes mesmo de Chegarem perceberam se curados, um deles voltou até onde Jesus estava somente para agradecer a Jesus o milagre em sua vida. Daqueles dez homens apenas um voltou. Fica difícil pontuar o porquê aquele homem voltou, em vez de seguir com os outros até ao sacerdote e depois para sua família. Aqueles homens receberam uma palavra de cura e vida, e receberam a cura física, unicamente, mas, o que voltou recebeu a cura também de suas emoções. Vivemos e cultuamos uma cultura que enaltece o corpo e a saúde. Gasta se milhões em dinheiro para uma vida saudável. Mas, as doenças escondidas na alma continuam inalteradas. Curados por fora, mas doentes por dentro. Como é vulnerável este conceito, como é tênue esta linha divisória entre a sanidade e a insanidade. Ao vislumbrar uma forma física aceitável nos rendemos, ou sucumbimo-nos diante do aceitável. Enquanto dentro de cada um, dores corroendo, abrasando e nos silêncios do tempo que e do desenvolvimento da vida esconde-se a doença da alma. Doença que me parece que Só é curado quem vai além da aparência, quem te coragem em reconhecer suas limitações internas. Aquele que reconhece quem é que pode mudar a vida. Há! A cura da alma está alinhada com o saber. A verdade é quem liberta, e você que ainda não encontrou a verdade ainda é tempo....

   

sábado, 10 de janeiro de 2015

Conviver com o Diferente - Uma Homenagem aos 70 Anos de Meu Pai In Memoriam - Sebastião Carvalho Azarias

Este ano voltei a escrever, coisa que fazia com certa frequência, que nos últimos anos deixei de fazer. Para escrever precisa-se de tempo e reflexividade para ir além do óbvio, ou do esperado. Quero nestes parágrafos falar sobre conviver com o diferente, e a motivação do texto está relacionado aos comentários e as interpretações dadas aos ataques  feitos aos cartunistas franceses.  Confesso que ouvi coisas que me agradaram, outras me desagradaram também. Pessoas com opiniões contra os jihadistas, e até a favor deles. E todos falavam sobre liberdade, liberdade de expressão, e conviver com o diferente. Aqui está meu o Título de meu Tema! Será mesmo possível conviver com o diferente? Tenho sérias dúvidas sobre esta possibilidade. Permita-me um toque pessoal no tema. Sou filho de um homem negro, ou afrodescendente, como queiram. Convivíamos, entre as piadas e deboches típicos das décadas de 70, 80, e 90, relacionadas aos negros (e não eram engraçadas, não para mim). Até que meu pai assumiu uma função de chefia. Agora ele daria ordens! Um dos funcionários não aceitava este quadro, e dezenas de vezes adjetivava meu amado pai com palavras que tinham a intenção de ofender a honra de meu velho pai (50 anos de idade ele tinha à época). Tentando assim dizer que cor é motivo pejorativo. Muitas vezes meu pai (que nasceu no dia 10 de janeiro) quis conviver com o diferente,  mas, este diferente não quis a convivência com ele. Esse cidadão assassinou meu pai. Aí, vem uma questão: esse assassino, que na hora do ato criminoso disse: “seu negro safado”! É preciso ver o histórico dele, para ver se ele era perseguido. Devo considerar se ele era da direita, ou da esquerda. E meu pai, assassinado, privado de ver seu neto, crescer, se tornar um vencedor, ficar noivo, dar a ele bisnetos. Priva-lo de ver os demais netos nascer, crescer, teria de ver se ele era da esquerda, ou da direita. Ora senhoras e senhores. Conviver com o diferente, parte da premissa que o diferente queira conviver com os outros. Aqui seja qual diferença for. Racial, religiosa, gênero sexual, ou politica. “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência à experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores”. Romanos 5:1-9. Se você se considera  diferente queira conviver com os demais. Pedro feriu um soldado no ato da prisão de Jesus Cristo, Jesus repreendeu Pedro e Curou o soldado. Jesus Sabia conviver com o diferente e nós estilou a fazer o mesmo.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Sentimento de Paz

Sentimento de Paz Ora, o mesmo Senhor da paz vos dê sempre paz de toda a maneira. O Senhor seja com todos vós. 2 Ts 3:16. Sempre que acontece uma tragédia somos levados, de forma, involuntária, ao sentimento de medo, ou de agitação. A sensação de segurança, e tranquilidade desaparece.  O sentimento de Paz parece perder seu status quo em nossa vida. O que fazer para ter um Sentimento Perene de Paz? As religiões oferecem este sentimento, mas parece tão subjetivo tão efêmero. Não sou conhecedor de todos os dogmas das religiões existente em todo mundo. Boa parte delas oferece a meditação, as orações e a contemplação com a finalidade de encontrar a paz, ou o sentimento de Paz. Este sentimento de Paz transcende a compreensão humana. Acredito que não seja possível justificar o sentimento ou a falta deste sentimento. A Bíblia sagrada conta a História do apedrejamento de Estevão, e ele esta com o coração cheio de Paz, a ponto de pronunciar palavras de perdão aos seus algozes. A mensagem central do Cristianismo é o amor e Jesus Cristo disse: Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não dou a paz como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. João 14:27. Este sentimento de Paz pode ser alcançado pela fé no Evangelho que mostra ou desvenda os motivos e motivações do coração humano, e pode fomentar assim a capacidade de viver em status quo deste Sentimento de Paz. Jesus veio e evangelizou a paz, aos que estavam longe, e aos que estavam pertos; Ef. 2:17. O desejo do Cristianismo é que Misericórdia, e paz, e amor vos sejam multiplicados. Jd 1:2. Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo. 2 Co 1:2. Termino lembrando e um dos Conselhos do Apóstolo Paulo: “Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens”,.Rm 12:18




domingo, 4 de janeiro de 2015

Como Nasce um Herói.

Como nasce um herói - Os Estados Unidos são conhecidos pelo número de Super-Heróis produzido nos cinemas. Super-Homem, Capitão América, Mulher Maravilha, entre outros. Cada povo tem uma cultura particular, e cada cultura traz consigo seus mitos, crendices e folclores, e seus heróis. Os gregos criaram vários mitos para poder passar a mensagens para as pessoas e também com o objetivo de preservar a memória histórica de seu povo. Os Mitos Brasileiros são composto pelo panteão Tupã. Quanto aos nossos heróis alguém disse que eles morreram de overdose. Mas na prática como nasce um Herói? Moisés foi um Herói, para o povo Judeu, Êxodo 2:1-10, narra seu nascimento e a base de sua formação. Não há nada sobrenatural. Esse Homem que marcou a História dos Hebreus e dos Egípcios, foi um homem comum, que tomou sua vida em suas mãos, e dirigiu sua história. Deixando um legado. Davi outro Herói do Povo de Israel, nasceu em uma lar cuja família tinha 8 filhos dos quais ele era o mais novo. Todos os irmãos de Davi eram candidatos competentes a heróis. Enquanto seus irmãos estavam no exército de Israel, Davi cuidava de algumas ovelhas de seu pai. Mas, um herói não é feito pelo Status que ocupa e sim pela posição diante da vida. Davi esteva disposto a entrar na história quanto esta desse a ele a oportunidade, 1 Sm 16 e 17. Outro Herói, este Herói de todos, pelo menos reconhecido pela maioria - Jesus Cristo. Nasceu como qualquer ser humano. A diferença é foi concepção no ventre da Virgem Maria. Mas, a gestação, nascimento desenvolvimento foi como todas as pessoas. Jesus tomou decisões que mudaram a história da humanidade. Um herói nasce como qualquer pessoa. A diferença é que ele toma a vida em suas mãos  a maioria das pessoas, deixam a vida os levar. O Herói é aquele que traça o seu caminho e Deus o abençoa.




sábado, 3 de janeiro de 2015

Viver no Limite

Viver no limite - Se eleve o teu coração e te esqueças do Senhor teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão; Deuteronômio 8:14. Os filmes americanos sempre usam títulos em seus enredos para dar ênfase e creio que para chamar a atenção dos expectadores. Neste texto quando escolhi a frase viver no limite também tenho uma intenção.  A vida é uma ação de risco, somos entregues a morte todos os dias. O dia de ontem é inalcançável,  amanha uma incerteza, o que temos é o hoje, o agora. Na verdade vivemos no limite, pois, para onde iremos nós? Como escaparemos? O tempo passa e nós voamos.
Cada pensamento, cada ação, cada reação define nossos passos e encaminha nosso “futuro”. Viver no limite é simplesmente viver, o que temos é hoje. Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus. 1 Coríntios 10:31

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Uma Segunda Chance

Nem sempre teremos uma nova oportunidade após deixamos passar diante de nós chances que se usadas nos elevariam a patamares portentosos. Vivemos um tempo em que uma vida vitoriosa é marcada por quem tem altos salários, emprego com status de chefia, uma popularidade diferenciada. Muitas vezes com estes objetivos o indivíduo tem uma busca frenética, que sem perceber, permite que as oportunidades simples sejam ignoradas e não as percebem ao seu lado. Veja o que foi dito por alguém que soube viver as oportunidades a ele oferecidas pela vida. “Não clama porventura a sabedoria, e a inteligência não faz ouvir a sua voz? No cume das alturas, junto ao caminho, nas encruzilhadas das veredas se posta. Do lado das portas da cidade, à entrada da cidade, e à entrada das portas está gritando: A vós, ó homens, clamo; e a minha voz se dirige aos filhos dos homens. Entendei, ó simples, a prudência; e vós, insensatos, entendei de coração", Pv 8:1-6. Mas, é possível que você tenha a oportunidade de viver uma segunda chance em sua vida. Observe bem com cuidado, viva de maneira a perceber o movimento das pessoas, as situações propicias se revelarão diante de seus olhos, aí o que ficou no passado pode ser reeditado e sua vida encontrará o prazer da efetivação de  desejo. As vezes atribuímos nossos fracassos a Deus, dizendo que não somos tratados como atribuímos ser tratados aqueles  que se dão bem segundo nosso Julgamento. Fique atento hoje você pode estar recebendo uma segunda chance em sua história.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Um Final de Ano Para Pensar.

Neste final de ano tirei algum tempo para pensar, não sei responder o porquê mais fiquei reflexivo e por esta razão assisti a um filme e alguns documentários. O filme que assisti foi “Antes de Partir” com os autores Jack Nicholson, Morgan Freeman. Os documentários são os referentes ao 11 de setembro 2001 nos USA. Sentimentos múltiplios tomaram conta de minhas reações, alguns que até pensei estivessem mortos em mim mais estavam apenas hibernando. O que leva o homem a viver uma vida tão alienada da realidade da maioria, fazendo com ele se sinta um ser acima do bem e do mal? Como pode alguém considerado normal comemorar a morte e a destruição do outro? No meio de tudo isto surge uma parte da personalidade do Ser Humano a Fidelidade, parece que estou fora da razão, mais existem pessoas fiéis custe o que custar. A fidelidade aqui está relacionada ao ser fiel ao outro, seja cônjuge, amigo, ou a ideologia. Vivendo no século XXI, na Pós-modernidade, ou pós-cristandade como alguns já querem grafar,  a humanidade ainda tem os vícios da era denominada primitivo.